Sobre o Projeto

Do encontro de conhecimentos ancestrais, nasce a diversidade que habita e colore o pavilhão de exposições de 2015 da CasaCor Peru. Um novo olhar para o artesanato de subsistência, que ocupa lugar de destaque entre os profissionais de decoração do país.

HISTÓRIA

Em 2015, depois de termos passado algumas vezes pela experiência do A Gente Transforma no Brasil, fomos convidados para participar da CasaCor Peru, com objetivo de inserir o artesanato de subsistência na pauta do maior encontro de decoração do país.
Um grande presente.

Pela primeira vez, tivemos a oportunidade de aplicar a nossa metodologia de trabalho, pensada para reconectar comunidades com suas histórias, fora do território brasileiro. A convite do Ministério do Comercio Exterior e Turismo do Peru, e juntamente com comunidades inca e quechua, partimos na jornada de redefinir significados.

Como não poderia deixar de ser, para esse trabalho contamos com a participação de um grupo multidisciplinar, liderado pelo designer peruano Ricardo Geldres, responsável por cocriar objetos de uso comum a partir da ótica do design essencial. Todas as peças que resultaram dessa nossa jornada têm em comum o fato de serem objetos tradicionais do artesanato peruano, repensados em suas funções estéticas e de uso primordial.

Ao final dessa nossa peregrinação, 90 objetos ocuparam aproximadamente 80 metros quadrados da última edição da CasaCor no Perú, reconectando a cultura peruana com sua própria trajetória ancestral.

PROCESSO CRIATIVO

É partindo do encontro de diferentes olhares, de múltiplas referências, que o processo criativo acontece dentro da metodologia de design essencial. Durante 15 dias, sete comunidades das regiões de Piura, Ayacucho e Lamas foram visitadas pela equipe do projeto, incluindo os designers Marcelo Rosenbaum e Ricardo Geldrés.

Durante a imersão, foram feitas visitas a oficinas de artesanato nas comunidades peruanas, para entender as técnicas empregadas na produção de cada peça. Justamente nessa etapa do projeto que as referências ancestrais veem à tona. A sabedoria popular, aprendida com os antepassados, é o ponto de encontro de todas as histórias contadas a partir dos objetos escolhidos para a CasaCor Peru.

O artesanato como forma de expressão cultural já era muito presente nas comunidades visitadas no Peru. A função dos designers no processo de imersão foi preciso para identificar potencialidades estéticas e ressignificar o olhar do artesão sobre o próprio trabalho.

Na região de Piura, a comunidade de Ñari-Walac sempre foi comandada pelas mulheres, consideradas soberanas, que até hoje tecem palha com as mãos e mantém a tradição de sua cultura. Já na Casa del Alfarero, no norte do Peru, foi o trabalho com o barro que chamou a atenção. Potes gigantes são ainda moldados e construídos à mão, seguidos da queima do barro em um ritual ancestral, mantido pelos homens da comunidade todas as noites.

Em Lamas, na entrada da Floresta Amazônica Peruana, a cultura Queshua é predominante. As mulheres trabalham com cerâmica, fazendo potes para guardar roupas, mantimentos e refrescos de frutas da região. Lá o algodão ainda se planta e todo o processo, até a tecelagem, é feito de forma artesanal e orgânica, para a confecção de roupas, mantas e acessórios.

Dessa diversidade de técnicas e materiais, 90 peças foram produzidas para representarem a complexidade do artesanato peruano. Um trabalho lindo, que transborda ancestralidade e paixão pela própria existencia. Uma riqueza de referências para uma gente com simplicidade inquietante.

IMPACTO

Além da conexão com a cultura peruana, a inserção do artesanato no cenário de decoração do país representou um grande salto de significado para as peças produzidas. Cestos, luminárias, tapetes, cadeiras, uma variedade de objetos tão complexa quanto a formação cultural do país. Materiais que ganharam o mundo e que contribuíram para comunicar a força dessas comunidades, tão ricas de ancestralidade.

CO-CRIAÇÃO

O designer peruano Ricardo Geldres é co-criador das peças das Coleções 2015 e 2016 para o projeto Encuentro Peru.

Compartilhar